Blog Posts publicados pelo Dr. Fabiano sobre diversos assuntos

Conhecendo a Mente do Homem Casado 4

Tudo abaixo do Sol parece estar sujeito a Lei da Impermanência. Digo “parece estar” porque muito além de todas as aparências (a realidade, tal como a conhecemos, não passa de “um conglomerado de aparências” – explico isto no DHUP) se encontra algo que não se move, que é o fundamento e o sustentáculo de todos os movimentos percebidos na “realidade”. Este algo que se mantém imóvel foi chamado de Coisa em Si, a verdade além de todos os fenômenos: o Noumeno. O problema é que esta Coisa que transcende todas as aparências é inacessível. O que percebemos é o restante: aquilo que se sujeita a Lei da Impermanência, aquilo que depois será diferente de agora e, muitas vezes, até o oposto do que agora é.

Sei que a abertura deste texto está com uma pegada bastante filosófica, e que o propósito aqui não é filosofar. O que quero que se destaque é o seguinte: as pessoas estão mergulhadas no que é impermanente. Tudo se desfaz e se refaz incessantemente, o que conduz os seres humanos a uma espécie de angústia existencial. É como se todos tivessem uma razão natural para serem inseguros, já que nada garante que o que está bom neste instante permanecerá assim por muito tempo. Por esta razão, buscam apoio em algo que lhes pareça durável (não precisa nem ser, mas precisa parecer). Pode ser um líder, uma filosofia, uma ideologia, o que quer que seja. O que importa é que pareça durável ou ESTÁVEL, isto é, imune ou, pelo menos mais resistente, aos efeitos da impermanência.

Se nos aprofundarmos nesta reflexão, perceberemos que o amor infantil se baseia inteiramente nisto. A criança teme ser abandonada pelos pais, afinal como sobreviverá sem eles? Qualquer desaparecimento dos pais é uma ameaça, por isto os bebês se afligem e choram quando eles somem, ainda que provisoriamente. Com o tempo, percebem que há algo que os liga inseparavelmente aos pais: um sentimento nomeado amor. O amor, para os bebês, é a garantia de que não serão abandonados. É assim que os seres humanos descobrem o amor: COMO UMA GARANTIA CONTRA TODAS AS AFLIÇÕES QUE A IMPERMANÊNCIA PROMOVE. No entanto, mais adiante, não encontram a mesma garantia em suas relações, e daí surge a angústia amorosa. As relações posteriores não passam de uma busca, um reencontro ou, melhor dizendo, uma tentativa de reencontro ou, melhor ainda, uma MUITAS VEZES MALFADADA TENTATIVA DE REENCONTRO COM O AMOR ORIGINÁRIO.

Agora vamos a parte MAIS DRAMÁTICA. Os bebês amam porque percebem o risco do abandono. Caso não fantasiassem tal ameaça, seriam indiferentes aos pais. Eles amam os pais que estes poderiam deixá-los, porém não os fizeram por terem se vinculado através do sentimento amoroso. Em suma: SÓ VALORIZA A GARANTIA DO AMOR AQUELE QUE SE SENTE AMEAÇADO DE ABANDONO. UMA GARANTIA SÓ FAZ SENTIDO SE HOUVER ALGUMA AMEAÇA!!! Quem pagaria um plano de saúde se não corresse o risco de adoecer ou se acidentar a qualquer momento? O risco é a conditio sine qua non de relevância da garantia.

Quanto ao risco do abandono, todos tendem a sofrê-lo constantemente. Não irei me aprofundar neste ponto agora (posso fazê-lo futuramente), entretanto farei uma pequena observação antes de dar prosseguimento. É um problema quando uma pessoa, no afã de fazer um relacionamento dar certo, mostra a outra que ela NÃO PRECISA TEMER O ABANDONO. Esta garantia deve vir com o “vinculo amoroso”, não como uma situação a priori. O outro, se não experimentar a fantasia de risco, será privado de razão suficiente para se empenhar na construção do vínculo. Isto não significa que seria correto proferir-se ameaças de abandono, basta não se emitir uma garantia antes do momento adequado.

Seguindo nesta linha de raciocínio, fica evidente o esquema a seguir, na base de toda aproximação amorosa:

* As pessoas notam (ainda que não tão conscientemente assim) impermanências e instabilidades em todas as direções.
* A percepção da instabilidade das coisas pode lhes conduzir a fantasia de abandono.
* Se esta fantasia de abandono não for inibida precocemente pela outra parte, surgirá a busca pela ESTABILIDADE.
* No inconsciente, o caminho para a ESTABILIDADE será revelado apontando a mesma direção da experiência originária com os pais.
* Da mesma forma como ocorreu com os pais, será criado o vínculo amoroso, como uma espécie de GARANTIA contra o abandono (Fantasia de Estabilidade).

Todavia, para que este esquema se complete, há um elemento imprescindível: o objeto amado precisa aparentar ser EMOCIONALMENTE ESTÁVEL. Como já dito, as pessoas estão existencialmente aflitas em função da impermanência. Procuram na relação um suporte contra toda a angústia que a impermanência promove. Mas como acreditar que alguém instável seja capaz de oferecer uma experiência de estabilidade? IMPOSSÍVEL. O esquema, no inconsciente, só se completa se objeto desejado parecer (ainda que isto seja uma fantasia) ter condições de patrocinar bons níveis de estabilidade. Como se faz isto?

As pessoas costumam cometer o grande erro de confundir demonstração de Estabilidade com demonstrações de sentimento. Este será o ponto de partida para a minha resposta no próximo texto.

Fabiano Goes.

Queila Trizotti

Quando eu conheci o Dr. estava em uma das fases mais difíceis da minha vida, acabado de terminar um relacionamento com problemas financeiros e com a vida profissional despencando, mas através da mentoria dele fui colocando cada coisa em seu devido lugar, hoje me considero uma pessoa extremamente feliz e realizada, e quando trabalhamos nossa força interior e autoconfiança as coisas simplesmente acontecem, eu evolui tanto e obtive tantos resultados, que hoje ajudo ele meu mentor dr Fabiano Goes, a levar a sua mensagem de transformação e desenvolvimento pessoal para maior número mulheres possível. E acredito tanto na causa e no propósito e na transformação que ele gera que atualmente me tornei co-produtora Dele, que pra mim é uma honra.

Etine Oliveira

Você realmente é um profissional incrível, pois consegue fazer qualquer assunto interessante. Transborda amor pelo que faz, e o resultado não poderia ser diferente. Nós que agradecemos por compartilhar tantas informações transformadoras e relevantes. Acredito quão feliz e realizado você fica com feedback positivo que tem proporcionado na vida de tantas pessoas. Obrigada por ser este profissional sensacional.

Daniela Diniz

Advogada

Dr. você me ajudou tanto através dos seus vídeos, que nem sei se conseguirei expressar por palavras p quanto bem você me fez/faz. Obrigado por me mostrar o outro lado da coisa (sem visão romantizada que o sendo comum tem sobre quase tudo). São os seus vídeos a minha primeira busca da manhã, pois lá através da linguagem mais objetiva e acessível do mundo, eu passei a entender coisas “simples” que jamais ninguém foi capaz de explicar. Obrigado por tudo… mil vezes obrigado!

Tati Haurani

Aprendi a me amar em primeiro lugar. Aprendi que a esperteza e a experiência são ais importantes que diplomas. Aprendi que devemos aprender alguma coisa todos os dias. Aprendi que “camarão que dorme a onda leva”. Aprendi que devo conviver com pessoas que me agregam alguma coisa. E que eu devo exercitar o tempo todo a arte de “dar e receber” pois mesmo achando que não estou recebendo, o Universo manda tudo vive boa de volta. Antes, eu só sabia ganhar dinheiro. Hoje eu sei ganhar tudo que quero!

Ir para o topo